O ensino remoto durante a pandemia trouxe uma série de desafios para a educação, tanto para a escola quanto para os pais e responsáveis pelos alunos. No entanto, a pandemia deixou legados altamente importantes para o futuro do aprendizado, entre eles, o modelo híbrido de aprendizagem.

Em pesquisa realizada pelo Datafolha, foram entrevistados 1021 pais e responsáveis de alunos com idade entre 6 e 18 anos, estudantes das redes públicas de ensino. Realizada entre 16 de setembro a 2 de outubro, a pesquisa coletou uma amostra nacional e analisou a perspectiva dos estudantes e suas famílias sobre a educação não presencial.

Quando questionados sobre a participação dos pais nos estudos não presenciais, 51% dos estudantes respondeu que os pais estão mais ativos na rotina escolar e 72% afirma que os responsáveis estão mais engajados e responsáveis pela educação dos estudantes.

Em relação às aulas remotas, 94% dos responsáveis considera essencial a disponibilidade dos professores para correções e momentos para tirar dúvidas. Isso mostra que a falta de formação, informação e preparo, torna o ensino remoto desafiador para pais e mães, afirmação que se reflete no levantamento que mostra que 71% dos responsáveis passou a valorizar mais o trabalho dos educadores.

Um dos dados surpreendentes da pesquisa diz respeito à eficiência do ensino remoto. Entre os 1021 pais entrevistados, 64% afirmou que as aulas não presenciais foram eficientes para o aprendizado dos seus filhos. Sobre o acesso aos conteúdos, em setembro, 92% dos alunos brasileiros entrevistados tiveram acesso às atividades propostas. Na região Norte esse número foi um pouco menor, com 84% de acessos.

Principais desafios da pandemia

A pesquisa apontou também uma série de desafios enfrentados pelos estudantes que enfrentaram a mudança da modalidade presencial para remoto ou híbrido. Confira abaixo os quatro pontos mais citados pelos alunos:

1. Dificuldade de estabelecer uma rotina: esse ponto é extremamente importante pra o bom aproveitamento das aulas remotas, mas para 65% dos estudantes que participaram da pesquisa, esse é ainda um dos principais desafios;

2. Falta motivação: Essa é outra grande preocupação dos estudantes, pois o abre e fecha das escolas torna o cenário ainda mais incerto e diminui a motivação dos alunos;

3. Medo de abandonar a escola: Esse é um medo comum entre os alunos, principalmente os alunos mais vulneráveis que acabam tendo que trabalhar para auxiliar na renda familiar;

4. Relacionamento em casa: após o início das atividades remotas, 28% dos estudantes relataram piora no relacionamento com pais e responsáveis. A sobrecarga de tarefas e horas em frente às telas acaba gerando mais cansaço e estresse nas famílias, dificultando o convívio e o relacionamento.