Aprender sobre convivência em distanciamento, normas de higiene e melhorar a saúde emocional são apenas alguns motivos para o retorno.
Já falamos por aqui o quão importante é o retorno das aulas presenciais para o desenvolvimento e aprendizagem das crianças e adolescentes. Além disso, a escola também será o lugar em que as crianças aprenderão sobre o distanciamento, uso de máscaras, medidas de higiene e outras particularidades da pandemia.


Crianças aprendem com facilidade aquilo que veem, principalmente, repetem o que outras crianças fazem. Durante o breve retorno das aulas, em outubro de 2020, as crianças tiveram que aprender na prática sobre o distanciamento social, usar máscaras, brincar sem tocar nos colegas e a frequência da higienização das mãos.


“Escola não é apenas um lugar para aprender, a escola é o aprendizado. Aprender a dividir, a trabalhar em grupo, a estar em contato com as pessoas. Mais do que nunca é necessário que os alunos voltem ao ambiente escolar para não só saberem da segurança que tem no colégio, mas para manterem sua segurança emocional, porque há tempos vemos crianças mais tristes e desmotivadas a estudar, coisas que o ensino a distância infelizmente não pode mudar”, relata Ana Luiza Garai, aluna do 8º ano.


Tristeza e a falta de ânimo estão diretamente relacionadas à falta de amigos e familiares, à mudança repentina de rotina e o tempo em que ela se estendeu. “Somos seres relacionais e sociais, privar a criança de poder se relacionar com outra criança é uma violência psicoemocional”, afirma Sandiula Sara Santos de Souza, mãe da Carolina e do Matheus.


A saúde emocional das crianças foi amplamente afetada com o isolamento, além da defasagem na educação e instrução, principalmente se comparada a outros países que mantiveram as escolas abertas. Manter escolas fechadas enquanto bares, restaurantes e shoppings estão funcionando pode causar um prejuízo social e emocional a longo prazo nas crianças que vivem esse cenário. “Elas já estão perguntando: por que posso sair de casa, mas não posso ir ao Colégio?”, relata Luciane Zíngaro, mãe do Luciano.


Não é preciso quebrar protocolos de segurança para que crianças e adolescentes voltem para as carteiras escolares. Ao contrário do muitos imaginam, as crianças não precisam necessariamente do contato para suprir a falta do período de isolamento, mas da presença, do diálogo e da interação social. Além disso, estudos mostraram que crianças não são responsáveis pelo aumento da transmissão de covid-19, o que não justificaria manter as escolas fechadas.